Mulher de 31 anos morre eletrocutada fazendo algo que todo mundo faz todos os dias, pare de fazer isso imediatamente!

A dona de casa Ligiane Moreira, de 31 anos, moradora do município de São Felix do Xingu (distante 1.053 quilômetros de Belém). Teve um fim trágico após fazer algo que todo mundo faz todo dia, mas que é um verdadeiro perigo. 

Lindalva Barros Moreira, mãe da vítima, está abalada com a morte da filha, segundo ela a filha foi atender um celular enquanto carregava na tomada, ainda de acordo com ela, a casa tinha problemas com oscilação de energia elétrica, que pode ter contribuído para fatalidade. 

Além disso a mãe conta que a filha estava com as mãos molhadas, pois, estava lavando roupas naquele momento “Minha filha estava com as mãos molhadas, quando atendeu a ligação. Foi muito rápido”, contou.


Segunda a mãe, Ligiane, esses fatores podem ter contribuído para a morte trágica da sua filha. Agora a familia alerta a todos para não cometerem esse mesmo erro. 

 A Equatorial Energia Pará postou uma nota alertando para o perigo da prática de utilizar celulares conectados a tomadas. “Quando um aparelho está ligado na tomada, a bateria aumenta a temperatura automaticamente e ao manuseá-lo, a tendência é superaquecer ainda mais, o que pode levar à explosão. Caso aconteça uma descarga na rede elétrica, o usuário correrá sérios riscos de levar um choque. O risco é ainda maior em dias de chuva, devido a possíveis descargas elétricas intensas”, diz a nota. 

O comunicado ainda orienta as pessoas a não deixar celulares carregando sobre superfícies em contato com a água, como banheiros e cozinha, e em locais como camas, banco do carro, perto de cortinas, objetos de madeira ou outros que propaguem fogo. De preferência a superfícies lisas e em locais arejados.

“Um choque, curto-circuito, incêndios ou explosões provocadas por carregadores de celular não é algo tão comum, mas o perigo existe sempre que estamos falando de redes elétricas”, alerta o coordenador da Tecnologia da Informação, William Bendelak.



PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.