Auxílio Emergencial: Parlamentares tentam derrubar MP de Bolsonaro para continuar nos R$ 600

Após os senadores e deputados rejeitarem a projeto do Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (sem partido), sobre o valor do Auxílio Emergencial, que na época foi oferecido por Bolsonaro o pagamento de R$ 200 a cada beneficiário. Mas houve uma votação entre os parlamentares e o valor foi fixado em R$ 600.

A provação contrariou a vontade do presidente e de muitos que fazem parte da classe média. No começo da proliferação do vírus e das mortes causadas pela Covid-19 no Brasil, Bolsonaro negou por muitas vezes que isso poderia tomar uma proporção maior e o número de mortos ultrapassou os 100 mil. Ele também começou usar o Auxílio Emergencial para se promover popularmente e tirar o Congresso de cena. A estratégia funcionou, pois nas pesquisas a aprovação do governo subiu.

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

Bolsonaro também começou a falar em rever as regras sobre o teto de gastos públicos, visando bons resultados que podem lhe garantir uma reeleição em 2022. Ele também pretende com a medida captar dinheiro para usar em obras públicas.


Outra estratégia de Bolsonaro para garantir sua reeleição foi o lançamento do programa social Renda Brasil que ficará no lugar do Bolsa Família. O valor também foi alterado para lhe dar mais visibilidade. O valor pago pelo Bolsa família é de R$ 190 e o novo programa será em torno de R$ 300.

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

Parlamentares pede que Rodrigo Maia coloca a MP em pauta

Um medida provisória foi enviada para o Congresso para estender o pagamento Auxílio Emergencial por mais quatro meses. Só que para continuar pagando os R$ 600, Bolsonaro alegou que não teria como e fez a proposta de reduzir o valor para R$ 300. A MP tem validade de 120 dias, caso não seja contestada pelos parlamentares.

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

Bolsonaro reforçou para que não haja mudança no valor do Auxílio ao iniciar uma ofensiva contra o Congresso. A atitude foi criticada pelos parlamentares que estão pressionando o Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia a coloca-la em votação o mais rápido possível.



PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.