Crianças tiram a vida de menino de 5 anos; motivo deixa todos desolados

O caso do menino Júlio Henrique Brito Miranda,  de apenas 5 anos chocou a todos pela brutalidade e crueldade dos agressores. 

Ele desapareceu na quarta-feira (16), depois de ter saído para brincar com colegas em Vila Capistrano, localizado cerca de 150 quilômetros do centro de Marabá, no sudeste do Pará.

Logo depois a vítima foi encontrada morto, três garotos de 9, 11 e 13 anos contaram para polícia que teriam batido na criança menor, tirado a roupa dela e a jogado na água após uma discussão entre eles.


Um novo relatório detalhado da Polícia Militar aponta que o desentendimento entre eles foi por causa de uma brincadeira com bolinha de gude.

No entanto, a motivação da violência e as circunstâncias da morte estão sendo apuradas pelas autoridades sob sigilo. O crime foi registrado na polícia como ato infracional análogo a homicídio.

De acordo com a família, o menino não sabia nadar e provavelmente tenha morrido afogado. O sepultamento dele foi realizado sob forte comoção nesta sexta-feira (18).

De acordo com o boletim de ocorrência, logo após ter sido encontrado, o corpo da criança foi levado ao Instituto Médico Legal (IML), onde foi realizado alguns exames, como necropsia com verificação de indicativos de tortura, e também exame sexológico forense. A Polícia Civil espera o resultado dos laudos para continuar com as investigações.

Ainda de acordo com a polícia, como o menino foi encontrado nú, o corpo passou por exames sexológicos para saber se houve abuso sexual. Os envolvidos na morte negam que tenha havido violência sexual.

De acordo com a família,  Henrique, tinha medo de um dos garotos. Gisela Barbosa, tia da vítima, conta que a família está "desolada" e muita abalada com o acontecimento e esperam que a justiça seja feita. 

"Ele era uma criança simpática, brincalhona, muito apegado à mãe, não saía de perto dela. A gente não esperava perder ele tão pequeno, tão novinho, e da forma brutal como foi feito", diz a tia.



PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.