ginecologista

Ginecologista usou próprio esperma em procedimentos e tem ao menos 17 filhos

Após um homem pedir um teste de DNA, várias mulheres descobriram que geraram filhos do esperma do mesmo homem. Um ginecologista chamado Jan Wildschut foi acusado de usar o próprio esperma para fazer procedimentos de inseminação artificial nas pacientes da clínica onde trabalhou.

O caso aconteceu na Holanda, no hospital de Zwolle. O ginecologista poder ser pai biológico de ao menos 17 filhos. As vítimas disseram que não imaginavam passar por isso e que só realizou os procedimentos por acharem que o material genético era doado por pessoas anônimas.

+  Luto! Famosa atriz de Carrossel morre, fãs e famosos ficam arrasados: ‘Tão nova’

Como o caso veio à tona

Elas fizeram o procedimento entre 1981 e 1993, mas só vieram à tona nesta terça-feira (6/10). Tudo começou quando um dos filhos de Wildschut sentiu a vontade de encontrar outros DNA iguais ao seu. Então ele coletou a amostra do DNA de uma sobrinha de Wildschut.


Ao realizar os testes constatou que eles dois possuíam o mesmo DNA. Os dirigentes do hospital e a família quiseram expor os casos para as pessoas ficarem mais atentas sobre quem faz doação de esperma. Eles disseram que fizeram isso também para que outras pessoas não passassem pelo mesmo que eles passaram.

+  Mulher filma dando choque em seus cachorros, da gargalhadas da situação e gera revolta na Internet

A polícia foi informada sobre o ocorrido e solicitaram uma investigação para saber se existe mais casos que envolvem o ginecologista. Mas a Justiça negou. Isto porque os casos aconteceram em uma época em que não existia leis para proibir a ação de Wildschut.

Hospital repudia atitude do ginecologista

Os atuais dirigentes do hospital se manifestaram sobre atitude de Wildschut. Eles disseram que o hospital não compactua com esse tipo de comportamento. Ressaltou que não descarta que o ginecologista possa ter feito outras vítimas além das que estão lhe acusando no momento.

+  Polícia realiza buscas em fazenda onde homens afirmam terem visto novo serial killer

Wildschut trabalhou durante anos no hospital. Ele sempre realizou procedimentos de inseminação e também fazia vários acompanhamentos de pré-natais. Por enquanto estas são as únicas acusações contra o ginecologista. Wildschut morreu em 2009.



PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.