Jovem estuda em cabana no meio do mato para conseguir assistir as aulas online

O sonho de qualquer pai e ver que desde o início, seus filhos são esforçados.

É muito bom ver uma criança sendo esforçada por conta própria e ter amor por algo que seja do interesse delas.

E essa história é de um menino muito especial e que mostra que a dedicação vem de berço.


Murilo Lopacinski, 10 anos de idade, é um menino muito encantador e dedicado, o jovem mora em uma roça e ele passa o dia estudando em um banco de madeira, com o seu celular na mão.

Desde que começou a pandemia, os jovens estudantes do Brasil, está fazendo o acompanhamento das aulas via internet, pois ainda não liberaram as aulas presenciais. 

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

E por causa disso, o pai da criança decidiu montar uma cabana com pedaços de madeira e também de lona no meio de uma plantação.

Reprodução: G1

Isso tudo porque naquele local era o único lugar em que seu filho conseguia ter o sinal de internet. 

Murilo vive na cidade de Roncador, que fica na região Central do Paraná. 

O jovem conta que ele vai toda manhã até esse local, ele acorda às 7:30 para começar a fazer as atividades. Ele conta que na casa dela nao tem wi-fi e essa é a única solução que ele tem para estudar.

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

O menino vive na Colônia 4, e a escola dele fica a 10 quilômetros de sua residência.

Antes das aulas onlines, os pais das crianças iam até a escola tirar os materiais impressos para que seu filho pudesse estudar.

Devido a pandemia, os alunos da rede estadual estão sem estudar desde abril  e estão fazendo as atividades pelo aplicativo Aula Paraná, tem a opção impressas também.

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

A diretora do colégio enche Murilo de elogio e afirma que ele sempre foi um ótimo aluno, contou que todas as atividades impressas que era mandadas, ele fazia todas, não deixava uma questão em branco.

Ela conta que um dia a escola avisou do aplicativo, e o menino acabou fazendo o cadastro e gostou da maneira que estava estudando.

Murilo conta que sente muita falta de estar em uma sala de aula, mas afirma que pelo celular é mais fácil para acompanhar as lições, do que da maneira antiga.



PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.