Mulher é condenada a pagar R$ 15 mil após devolve criança adotada por “desobediência”

Uma moça do Ceará, acabou sendo condenada pela Justiça do estado a pagar uma bela de uma indenização no valor de R$ 15 mil, o motivo é muito inusitado e quase impossível de se ver, a moça vai pagar esse valor por causa de uma adoção que ela desistiu no ano de 2010.

Naquela época, a criança que iria ser adotada estava com 7 anos de idade e ela acabou sendo devolvida para o abrigo público depois de um mês, o motivo que a moça deu para devolver a criança, é que ela era muito desobediente.

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

Nesta última segunda-feira, 14 de setembro, a juíza responsável pelo caso, Alda Maria Holanda Leite, fez a sentença dessa mulher. De acordo com a juíza essa mulher vai ser sentenciada a pagar esse valor de R$ 15 mil por causa dos danos “morais e psicológicos” que foram causadas à criança.


Esse dinheiro que vai ser arrecadado, vai ser depositado em uma conta bancária até o momento em que a menina atinja a maioridade, que será no próximo ano, em 2021.

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

De acordo com a Defensoria Pública do estado, esse valor é apenas metade do que foi pedido pelo órgão que está atualmente representando o jovem, ao decorrer desse processo. De acordo com a instituição, antes desse valor atual, era pedido cerca de R$ 30 mil.

A juíza enumerou diversos motivos para dar essa indenização, um deles é chamado de estágio de convivência, que é quando a pessoa adotante se esforça para ter um relacionamento amigável com a criança até o momento em que ela começa a te ver como pais. Na opinião da juíza a adotante não fez nenhum esforço para se aproximar da criança.

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

Ela ainda falou que é impossível contar os prejuízos que essa criança teve por causa dessa adotante, fora os traumas que a menina teve por causa do abandono e o motivo fútil que foi dado para devolvê-la.



PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.