Travesti é morta a facadas após discussão com cliente

Na última quinta-feira (17), um homem foi preso em flagrante pela Polícia Civil, depois de esfaquear uma travesti. O caso ocorreu em Tatuatinga, Distrito Federal. O local do crime é conhecido como ponto de prostituição. Travestis e garotas de programa frequentam o local. A vítima levou golpes no peito e recebeu atendimento médico logo depois do ocorrido. 

No relatório da PCDF consta que os policiais faziam uma ronda no local, quando um grupo de travestis comunicaram que uma travesti levou uma facada de um homem que fugiu em carro, modelo Ford Ka.

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

Em seguida os policiais perseguiram e alcançaram o suspeito, que estava com as mãos cheias de sangue. Na abordagem, a polícia encontrou o canivete utilizado para furar a travesti.


O homem de 68 anos confessou que esfaqueou a travesti durante uma discussão, mas não disse o motivo. As colegas da travesti relataram o que aconteceu em depoimento na delegacia.

Casos de mortes de travesti no Brasil

O Brasil lidera a lista de países onde mais morre travestis e transexuais vítimas de violência. Esse foi um dado divulgado pela Associação de Travestis e Transexuais (Antra) no Dia Nacional da Visibilidade Trans.

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

De acordo com o levantamento, foram mortas, no Brasil, 124 pessoas trans em 2019. O México é o segundo lugar no ranking global, no entanto houve metade do número de homicídios comparado ao Brasil.

A maioria das mortes em território brasileiro foi registrada na região Nordeste, onde 45 pessoas trans foram assassinadas.

No entanto, em relação a números absolutos, São Paulo é o estado que mais matou essa população no ano passado, com 21 assassinatos. O Ceará aparece logo em seguida, com 11 casos.

+  Após se casar com o próprio filho, mulher se separa para se casar com a filha e o pior acontece

Outro levantamento feito pelos órgãos foi que cerca de 80% das vítimas sofreram violência exagerada. Outro dado revelado é que apenas 8% dos casos tiveram suspeitos identificados.

Bruna Benevides, secretária de articulação política da Antra e autora do dossiê, ressalta a importância do levantamento, que está em sua terceira edição.



PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.